banner

Declaração de amor “revolucionária”

in Poesia
16. 12. 14

coracaovermelho

Declaração de amor “revolucionária”

I
Meu amor, enfim vieste
Com toda a tua adoração!
Levas nos cornos e calas-te
Tudo a bem da Revolução!

II
És pau para qualquer obra
Revelas falta de personalidade!
Um homem com a tua tarimba
Já devia ter juízo na tua idade!

III
O Arnaldo Matos faz de ti
O bode expiatório por excelência!
Tu, como capacho que és
Não distingues a sua demência!

IV
O senhor todo “comunista”
Só fala em tom autoritário!
Paisana, tens que baixar as orelhas
Pois é esse o teu fadário!

V
É uma relação de amor e ódio
O que existe entre ti e o Arnaldo!
Mas como os casamentos de anos
Ninguém quer entornar o caldo!

VI
És motorista, ama-seca e moço de recados
Acreditas piamente nesse “revolucionário”!
Fizeram ambos, juras de amor eterno
Agora só a morte dirá o contrário!

VII
Não quer animal de estimação
Dá trabalho, e não é como tu!
A ele, só precisa de assobiar
Para ir a correr o seu “Lulu”!

VIII
Só é comparável a Romeu e Julieta
Este grande amor fervoroso!
Como tem durado estes anos,
Isso sim é um mistério espantoso!

IX
Não sabemos se é medo, terror
Submissão, ou outra coisa qualquer!
Mas como diz o povo e bem, entre
Marido e mulher, não metas a colher!

X
Este “casamento” só findará
Com esta história de enternecer!
Zangados ou desiludidos
Quando um deles morrer!

Asdrúbal Mil-Folhas

Director: Carlos Fidalgo - carlos.fidalgo.10@sapo.pt