banner

E o congresso camarada?

17. 01. 29

pessoascominterrogacao

Pergunta ao comunista operário e “grande educador da classe operária”, Arnaldo Matos:
E o congresso camarada?
Foi anunciado e nunca levado à prática, porquê?

Fui durante muitos anos, militante fervoroso e dedicado ao MRPP, depois PCTP/MRPP.

Actualmente, depois desta palhaçada e purga havida a partir de Outubro de 2015 passei a ser só simpatizante, mas com ficha e tudo.

Ainda crente de que o discurso editado no Luta Popular e o texto nele contido, serviam realmente para desmascarar os liquidacionistas e inverter um caminho e uma política, contrárias ao movimento comunista marxista-leninista, fiquei radiante com o novo caminho anunciado.

Segui atentamente o desenrolar de toda esta situação, fazendo fé, em que o discurso agora apresentado era realmente o caminho certo, depois de várias oscilações e alguns retrocessos da política do partido.

Ouvi do camarada Arnaldo Matos muitas promessas, muitas convicções, e acima de tudo, uma que me entusiasmou e deixou bastante esperançoso de um novo caminho, agora sim, o caminho correcto em direcção à Revolução.

Pois essa promessa, a da realização de um Congresso, não só iria pôr o partido no caminho correcto, como nos traria uma nova direcção de dirigentes, que iriam trabalhar com toda a força e sem desvios da linha orientadora marxista-leninista.

Aguardei pacientemente, pois o camarada com a sua inteligência e perseverança, mas devido ao afastamento da rotina partidária, com certeza ainda demoraria algum tempo até começar a organizar devidamente o partido.

Esperei, esperei, mas comecei a ver o partido a ser dirigido por um homem só, sem qualquer Comité Central e sem qualquer rumo e a não participar activamente em acções de distribuição de propaganda, junto dos trabalhadores.

Episodicamente lá aparecia um texto a mencionar um encontro com operários, mas sem qualquer visibilidade nos grandes centros populacionais, onde ao contrário do que diz o camarada Arnaldo Matos, no tempo dos liquidacionistas, eram encetadas regularmente várias acções de agitação e propaganda.

A implantação do partido junto das massas sempre se revelou difícil, porque não é nada fácil para a pouca consciência política dos trabalhadores e das massas em geral, receberem propaganda política de um partido comunista marxista-leninista e estas acções levam o seu tempo a ser aceites.

Por tudo isto, pela falta de elementos novos, pela idade avançada daqueles que cá continuam e pela falta também de empenho, vejo uma situação pior do que aquela de antes de Outubro de 2015.

Estou desiludido, vejo alguma participação nas redes sociais, aquelas que o camarada alertou para não haver comentários, mas que, ainda alguns militantes e simpatizantes se vão atrevendo a colocar algumas poucas notícias.

Como é óbvio, vou assinar este texto com um pseudónimo, até porque está instalado um clima de medo dentro do partido e ninguém ousa levantar a voz a contradizer o camarada Arnaldo Matos.

Depois de enviar este pequeno artigo para o Luta Popular e em simultâneo para o camarada Arnaldo Matos no dia 26/01/2017 afim que fosse publicado e estivesse ao alcance da maioria dos camaradas, não obtendo qualquer resposta para a justificação da sua não publicação e sendo um texto que contém uma certa crítica e uma simples pergunta e não ofendendo ninguém pessoalmente, não vendo qualquer motivo para a sua censura, decidi recorrer ao vosso site para a sua publicação e divulgação.

Termino com a pergunta do título, porque quem não tem nada a esconder deve responder, porque é que não há congresso camarada?

João Esquerdinha

Director: Carlos Fidalgo - carlos.fidalgo.10@sapo.pt