banner

Continua a minha interrogação

16. 09. 16

Continua a minha interrogação

Faz agora por esta altura mais ou menos 5 meses, que escrevi para um Blog chamado “As Mentiras do Arnaldo”, com o título ─ Por onde anda o PCTP/MRPP? ─  Decorrido este tempo todo ainda ninguém soube ou quis dar-me resposta, à pergunta que fiz naquela altura.

O rosto principal do PCTP/MRPP ou pelo menos aquele mais conhecido, o Dr. Garcia Pereira, nunca mais lhe pus a vista em cima em qualquer intervenção ou debate, fossem eles a representar o partido ou dentro do seu âmbito profissional de Direito no Trabalho. Esfumou-se misteriosamente não dando qualquer sinal de vida, após os incidentes de Outubro de 2015.

O que se teria passado de tão terrível dentro do partido, para que tal acontecesse?

Fiquei sempre na esperança de ouvir da parte de uma figura tão conhecida dos portugueses, qualquer explicação para o seu desaparecimento repentino e voltar a ouvi-lo em qualquer canal de televisão ou outro órgão da comunicação social dar a sua versão dos acontecimentos.

Com muita pena minha, simpatizando com algumas das posições então apresentadas pelo PCTP/MRPP, vejo agora, ou melhor não vejo, qualquer actividade partidária por parte deste pequeno partido.

Leio e sou uma pessoa que gosta de estar informada, e de vez em quando, acedo ao site do partido onde me vou inteirando da pouca actividade, tirando agora o caso pontual das próximas eleições dos Açores, que o partido vai exercendo na sociedade portuguesa e quase sempre escrita pelo mesmo indivíduo.

Claro que, artigos há muitos e alguns escritos por outras pessoas, mas a maioria trata-se de enxovalhamento e de um lavar de roupa suja, que quanto a mim, não abona nada em favor do PCTP/MRPP e do seu papel na defesa dos trabalhadores.

Um partido que é dos mais antigos de Portugal, por este andar e com o aparecimento de novos grupos cívicos, não lhe auguro um futuro risonho dentro do actual panorama político, com muita pena minha, a pouca acção que era exercida na altura antes de Outubro de 2015 não se compara à inacção agora presente.

Como sou teimoso, vou continuar com as minhas interrogações!

António Joaquim Pascoal

Director: Carlos Fidalgo - carlos.fidalgo.10@sapo.pt