banner

O Borra Botas (O engraxador pouco habilidoso e que presta um mau serviço)

16. 07. 16

O Borra Botas
(O engraxador pouco habilidoso e que presta um mau serviço)

Recebemos do nosso leitor Leandro Justino, um texto que critica um artigo publicado no pasquim Luta Popular, da autoria de um lacaio, ao serviço dos verdadeiros liquidacionistas e falsos comunistas, de seu nome Luís Júdice.

Segue o respectivo texto, que vai ao encontro do que tem vindo a ser publicado no pasquim de Arnaldo Matias de Matos e que este blog desde o início tomou em mãos, visando o desmascaramento desta personagem sinistra.

Agradecemos aos nossos leitores toda a atenção dispensada e a sua participação.

Como vem sendo hábito, no pasquim em que se tornou o jornal Luta Popular, órgão do PCTP/MRPP, quando é o “pai” a publicar, vem logo o “filho” ou então quando o “paizinho” autoriza, lá vem o “filho” vomitar uns impropérios, próprio de quem é um pulha!

Vem isto a propósito de mais um vitupério de um ser abjecto que dá pelo nome de Luís Júdice!

Pela falta de originalidade, de que é já famoso, vem este “revolucionário” de boca cheia de marxismo, de ideologia marxista, este presunçoso que enquanto fora da ribalta, se desunhava em mandar uns palpites, sempre ao abrigo da sua sobranceria, mas que em trabalho junto das massas no papel que cabe a um verdadeiro comunista, se escusava a desenvolver o necessário trabalho junto das mesmas.

Ora, é este valdevinos bom falante, que agora vem dar o amém a tudo aquilo que o seu amo escreve e a reproduzir tudo aquilo que anteriormente já tinha sido dito, mas por outras palavras!

Este comportamento faz lembrar umas figuras que pululavam pelo país, originários da Roménia ou da Moldávia, que para ganharem umas moedas iam ensaiando uns acordes num acordeão, com um inocente cãozinho que fielmente segurava uma latinha, onde alguns transeuntes, talvez por verem o papel que o animal estaticamente desempenhava e não pela falta de conhecimentos musicais do seu dono, lá iam pondo algumas moedas dentro da lata.

Esta comparação serve precisamente para ilustrar, o dono, Arnaldo de Matos a dar música sem a saber tocar, e o desgraçado do canito Luís Júdice a segurar a dita latinha para ver se alguém ainda acredita nesta trupe, e lhes dá uma esmolinha.

Diz esta azémola, que enquanto os tais ditos camaradas, o que tinham em mente ao concorrer às eleições burguesas, não era o trabalho de agitação e propaganda junto das massas, mas somente a querida subvenção que advinha do número de votantes no partido.

Tem agora a seita que se apossou do PCTP/MRPP, oportunidade de contrariar esta premissa e de recusar - graciosamente a subvenção prestada pelo inimigo de classe que operários e comunistas combatem - estou a citar este molusco gastrópode vermiforme desprovido de concha (lesma)!

Ao longo do seu desenferrujar de língua, sempre condimentado por vitupérios, não quis acabar esta algaraviada peçonhenta, sem mais uma vez, vir armado em donzela desvirginada queixar-se de uma ajuda dada em tempos.

Quem não tem a hombridade de confrontar outro a quem tenha ajudado, mas depois escondido por um pretenso texto político, vem afirmar isso repetidamente, e passo a citar: Eu tenho toda a moral política para dizer o que digo. Ajudei este marmanjo no início da sua carreira - coisa de que não me arrependo - mas, arrogante como sempre foi, nunca me agradeceu - não que eu o quisesse - essa ajuda! Bem pelo contrário, quando precisei dos seus serviços profissionais, cobrou-se deles como se não houvesse amanhã!

É muito simples retirar conclusões de quem faz este tipo de afirmações, quem as faz, só revela falta de carácter e de personalidade, e com toda a certeza, não é de gente como esta que é preciso e que pode servir as massas e guiá-las no caminho da Revolução!

Cresça e apareça Luís Júdice!

Leandro Justino

 

 

Director: Carlos Fidalgo - carlos.fidalgo.10@sapo.pt